Home / Transporte e atualidade / Transporte / 5 tendências futuras nos transportes

5 tendências futuras nos transportes

Até à data, em 2022, registámos que o setor do transporte rodoviário de mercadorias sofreu algumas mudanças que se temiam e que agora se tornaram uma realidade. Uma série de tendências, já anunciadas no nosso inquérito geral a mais de 1000 transportadoras europeias em 2021, continuam a ser uma realidade este ano.

Os efeitos da crise do coronavírus, o “Brexit”, a digitalização, ou mais recentemente, o conflito na Ucrânia, que provocou um aumento dos preços dos combustíveis para um máximo histórico, estão a traçar um novo paradigma que se projeta para o futuro e que nos deixa algumas linhas claras a seguir. Estas são, em termos gerais, as tendências em matéria de transportes que temos de ter em conta nos próximos meses.

1.ª tendência: uma cadeia de fornecimento mais eficiente

Como mencionámos acima, as consequências da pandemia do coronavírus (na China, um dos principais “motores” de logística do mundo, ainda estão em curso confinamentos parciais e até mesmo totais), o conflito na Ucrânia e outros fatores levaram a que a atual cadeia de fornecimento enfrente uma procura por bens sem precedentes, num cenário com rotas menos acessíveis, escassez de mão de obra e capacidade de transporte mais limitada.

É por isso que os profissionais de logística estão à procura de soluções que envolvam todos os pontos da cadeia para a tornar mais eficiente. Aspetos que vão desde a produção às vendas, incluindo, obviamente, o transporte. Um bom exemplo é o Smartchain, um projeto financiado pela UE e que envolve um total de 43 instituições de onze países europeus, destinado a melhorar a cadeia de fornecimento de frutas e legumes no continente.

O seu objetivo é desenvolver sistemas inovadores em termos de produção, processos, desenvolvimento, acesso ao mercado, logística, armazenamento e distribuição no âmbito da produção de frutas e legumes, com nove comunidades a trabalhar em França, Alemanha, Grécia, Hungria, Itália, Países Baixos, Sérvia, Suíça e Espanha. O projeto encurta as cadeias de fornecimento de produtos perecíveis e, consequentemente, promove o consumo de produtos locais.

2.ª tendência: aliviar a escassez de condutores de camiões

Outra questão importante que tem de ser abordada imediatamente pelo setor dos transportes rodoviários é a grave escassez de mão de obra. Como vimos recentemente neste blog, a situação é cada vez mais preocupante.

De facto, a União Internacional dos Transportes Rodoviários (IRU) revelou num relatório recente que, só em 2020, a oferta de condutores de camiões diminuiu em três quartos na Europa, de 24% para 7%. Estes números surgem num momento crítico em que a procura tem subido acentuadamente.

Estima-se que a escassez de condutores na Europa seja superior a 400 000, um número significativo que poderá continuar a aumentar, tendo em conta a idade média dos condutores em serviço ativo, acima dos 50, e a taxa de abandono dos condutores independentes. Além disso, as condições de trabalho que exigem longas horas de solidão e de atividade mantêm muitos afastados.

Por este motivo, o objetivo é agora trabalhar no sentido de facilitar o acesso à profissão e de proporcionar condições mais flexíveis, tornando-a uma ocupação mais atrativa.

3.ª tendência: uma entrega no último quilómetro mais barata

Nos últimos tempos, a transporte no último quilómetro (a última etapa do transporte de um produto diretamente à porta do consumidor) está a revelar-se como uma das tendências mais consolidadas em todo o mundo. Os consumidores exigem rapidez e conveniência, e o processo tradicional de transporte dos fabricantes para os armazéns, e dos armazéns de distribuição para as lojas está a tornar-se menos comum.

O comércio eletrónico, que subiu 44% em 2020 em comparação com o ano anterior, está a desempenhar um papel importante neste cenário. As ofertas como a “Black Friday” ou o “Prime Day” estão cada vez mais na moda, com cada vez mais pessoas a optarem por encomendar online o que normalmente compravam numa loja física. Esta é uma tendência que irá continuar por muito tempo. De facto, a empresa de consultoria P&S Intelligence previu que o mercado de entregas no último quilómetro irá expandir-se a uma taxa de crescimento anual composta (CAGR) de 20,3% de 2021 a 2030.

No entanto, para as empresas e operadoras de logística, isto representa mais uma despesa. Para aliviar esta situação, surge a necessidade de métodos mais eficientes que utilizem tecnologia como IA, veículos autónomos, bolsas de carga como o Teleroute e financiamento coletivo. 

4.ª tendência: veículos elétricos: uma aposta tangível a médio prazo

É aqui que entra em jogo a eletrificação dos veículos comerciais, algo que não é novo, mas que se está a tornar cada vez mais plausível, com cada vez mais marcas a anunciarem o lançamento de modelos 100% elétricos e o compromisso das empresas na sua utilização. A DHL, por exemplo, acaba de anunciar a compra de 44 camiões elétricos da Volvo para o seu serviço de entregas na Europa.

No entanto, o último passo terá de esperar um pouco mais. Pelo menos de acordo com a análise realizada pela Cambridge Econometrics e apresentada pela Federação Europeia de Transportes e Meio Ambiente (Transport & Environment), onde se indica que as carrinhas e camiões puramente elétricos a bateria e os camiões preparados para utilizar estradas elétricas não serão competitivos em comparação com os veículos de combustão interna até 2025 e a competitividade dos veículos com células de combustível não será alcançada até 2030.

Estes prazos terão de ser antecipados para se atingir o objetivo de reduzir as emissões de dióxido de carbono (CO2) da frota de transporte rodoviário de mercadorias e, por conseguinte, da neutralidade climática até 2050. Isto exigirá que o custo das tecnologias (baterias, sistemas de estradas elétricas e células de combustível) e dos combustíveis (hidrogénio verde) com zero emissões de carbono seja reduzido e, sobretudo, que sejam estabelecidas regulamentações a nível europeu e em cada país para se avançar rapidamente e com segurança no caminho para a descarbonização do transporte rodoviário de mercadorias.

5.ª tendência: sustentabilidade, a tendência transversal

Por fim, claro, temos a sustentabilidade. Na procura de transportes “mais ecológicos”, já estão a ser tomadas medidas, tais como os referidos camiões elétricos que reduzem a dependência dos combustíveis fósseis ou a externalização das cadeias de fornecimento das grandes empresas, o que significa menos quilómetros percorridos e, por conseguinte, uma redução do custo ambiental do fabrico destes produtos.

Outro aspeto de grande importância é a inovação para reduzir as emissões na cadeia de fornecimento. À medida que os investidores e os consumidores pressionam os grandes fabricantes para reduzirem as emissões, os profissionais da cadeia de fornecimento estão constantemente à procura de novas formas de melhorar a eficiência. Por exemplo, tecnologia de monitorização do comportamento na estrada que, além de reduzir as emissões de transporte, permite poupar em custos de combustível e manutenção.

Um bom exemplo é uma ferramenta que a Teleroute acaba de lançar: a TelerouteRecommends. . Trata-se de uma funcionalidade baseada em inteligência artificial e na aprendizagem automática (IA e AA) que visa recomendar aos utilizadores da plataforma ofertas de transporte que correspondam às suas necessidades diárias através de um algoritmo de IA e AA que analisa o histórico de dados de utilização dos condutores para descobrir padrões e sugerir as melhores ofertas de carga. Trata-se de uma funcionalidade baseada em inteligência artificial e na aprendizagem automática (IA e AA) que visa recomendar aos utilizadores da plataforma ofertas de transporte que correspondam às suas necessidades diárias através de um algoritmo de IA e AA que analisa o histórico de dados de utilização dos condutores para descobrir padrões e sugerir as melhores ofertas de carga.

Check Also

Verão de 2022: dicas para os condutores de camiões

A temporada de verão já começou e as estradas de toda a Europa ficam cada ...