Home / Transporte e atualidade / Transporte / Transporte de bens refrigerados – que veículos há à disposição?

Transporte de bens refrigerados – que veículos há à disposição?

Numa altura como a que vivemos, quando os consumidores sabem que podem ter qualquer coisa nas suas mãos em apenas algumas horas, o transporte rodoviário de bens assume, se é que isto é possível, um papel ainda mais importante na cadeia de fornecimento que vai desde os produtores até às nossas casas. Mas é no transporte de mercadorias perecíveis ou frescas que requerem um tipo especial de transporte que o transportador desempenha um papel realmente fundamental. Estamos, obviamente, a falar do transporte refrigerado.

Transporte frigorífico

Esta é a forma de expedição que deve ser utilizada para assegurar que os produtos que necessitam de viajar a uma temperatura controlada o façam com as máximas garantias e cheguem ao seu destino em perfeitas condições. Isto requer veículos capazes de cobrir as longas distâncias, que por vezes são necessárias para mover determinados bens e, claro, um sistema de refrigeração específico que será incorporado no próprio veículo, responsável pela manutenção dessa temperatura ótima. 

Este tipo de transporte deve atender a uma série de requisitos que foram estabelecidos há décadas e que fazem parte do ATP ou “Acordo sobre transportes internacionais de mercadorias perecíveis e sobre veículos especiais utilizados nesses transportes”. Um acordo internacional, assinado em Genebra em 1970 e ainda em vigor, cujo objetivo é garantir ao consumidor final que os alimentos chegam em condições higiénicas adequadas, assegurando que os veículos que realizam esse transporte cumpram as condições técnicas estabelecidas pelo ATP .  

Este acordo é constantemente atualizado e muitos países já aderiram ao mesmo. Na verdade, existem atualmente mais de 50 nações que são regidas pelo acordo e estabeleceram a sua própria legislação com base no mesmo. No caso específico da Espanha, o Decreto Real 1202/2005 foi promulgado em 2005, e trata do transporte de mercadorias perecíveis e dos veículos especiais utilizados para este tipo de transporte. 

Assim, os camiões que transportam mercadorias perecíveis nas estradas destes territórios devem ser identificados por uma placa ATP para identificar que o camião é isotérmico e respeita a cadeia de frio (uma série ininterrupta de atividades de produção, armazenamento e distribuição refrigerada, juntamente com equipamento e logística associados, que mantêm a qualidade através de uma gama de temperaturas baixas desejadas). 

Que tipo de produtos são transportados pelos camiões frigorífico e quantos tipos de camiões frigorífico existem? 

Embora existam muito tipos de camiões frigorífico, todos eles possuem uma caraterística em comum: a sua capacidade de baixa transferência de calor, que previne que as condições climatéricas influenciem a respetiva temperatura interior. Neste sentido, o ATP estabelece uma lista das temperaturas às quais as diferentes mercadorias classificadas como perecíveis devem ser transportadas: 

  • Cremes congelados: -20 ºC. 
  • Peixes, moluscos e crustáceos congelados ou ultracongelados: -18 ºC. 
  • Produtos ultracongelados em geral: -18 ºC. 
  • Outros produtos congelados: -12 ºC. 
  • Manteiga congelada: -10 ºC. 
  • Carnes e preparados de carne: +7 ºC. 
  • Manteiga: +6 ºC. 
  • Leite industrial: +6 ºC. 
  • Produtos de caça: +4 ºC. 
  • Leite em tanques: +4 ºC. 
  • Produtos lácteos refrigerados: +4 ºC. 
  • Aves de capoeira e coelhos: +4 ºC. 
  • Miudezas de carne vermelha: +3 ºC. 

Ainda assim, nem todos os camiões são autorizados a transportar todos os tipos de mercadorias uma vez que, tal como vimos, cada alimento ou gama de produtos requer temperaturas específicas. Por este motivo, devemos prestar atenção à seguinte tipologia de veículos de transporte: 

  • Veículo isotérmico: a caixa é construída com paredes isoladas, incluindo portas, piso e tejadilho, o que limita a troca de calor entre o interior e o exterior. 
  • Veículo frigorífico: um tipo de veículo isotérmico que, graças a uma fonte fria, permite reduzir a temperatura dentro da carroçaria vazia e depois mantê-la, com uma temperatura exterior média de 30°C a -20°C, no máximo. 
  • Veículo refrigerado: neste caso, falamos de um veículo isotérmico que incorpora um dispositivo de produção a frio, e permite, com uma temperatura média exterior de 30°C, reduzir a temperatura no interior da carroçaria vazia e mantê-la entre 12°C e -20°C. 
  • Veículo de calor: este tipo de veículo isotérmico está equipado com um dispositivo produtor de calor que aumenta a temperatura no interior da carroçaria vazia e a mantém durante pelo menos doze horas a um valor não inferior a 12°C. 

Embora os veículos acima mencionados sejam os mais comuns para o transporte refrigerado, é de notar que existem outros adaptados a requisitos mais extremos. Tais como os refrigerados com gelo seco, camiões que normalmente têm uma temperatura de -78°C e o frio é gerado pela sublimação (a passagem do estado sólido para o estado gasoso). Estes têm blocos de gelo de tamanhos diferentes, mas em caso algum podem exceder dez quilos de peso. Um sistema semelhante é encontrado no sistema de neve carbónica, cuja refrigeração é também produzida por sublimação, surgindo a neve devido ao dióxido de carbono que se encontra no estado líquido. 

Como manter um veículo refrigerado em boas condições? 

Agora que conhecemos os tipos de camiões refrigerados, chega a parte mais importante: como mantê-los em boas condições para que a sua função seja assegurada. Algo que não se deve menosprezar e com o qual devemos ser muito rigorosos. Na realidade, a conformidade dos veículos especiais para o transporte internacional de mercadorias perecíveis deve ser verificada por uma entidade independente e autorizada antes da sua colocação em serviço e periodicamente, pelo menos de seis em seis anos. Além disso, cada vez que as mercadorias são carregadas e descarregadas, devem ser efetuados controlos de temperatura e realizar-se registos. 

Como é claro, o interior deve ser completamente hermético e feito de materiais extremamente resistentes à corrosão e 100% à prova de água. Isto assegura que as mercadorias não sejam danificadas em trânsito. A superfície também deve ser adequada para que o ar circule adequadamente entre as duas partes. Evidentemente, a caixa deve estar completamente isolada do resto do veículo. 

Se formos quem contrata o serviço, devemos prestar especial atenção para garantir que os fornecedores refrigeraram a unidade de antemão e regularam a temperatura de forma adequada a cada produto (aqui, é essencial possuir um termóstato), além de nos certificarmos também de que verificaram que os bens estavam corretamente embalados antes de serem enviados e que as mercadorias foram carregadas no veículo o mais rapidamente possível e sem ter deixado as portas abertas durante muito tempo. 

Devemos lembrar-nos que, antes do carregamento, o camião deve ter sido limpo e desinfetado para evitar a contaminação da carga com bactérias, produtos químicos ou maus cheiros. Em seguida, deve prestar-se atenção à colocação da carga, certificando-se de que as caixas ou paletes não obstruem a livre circulação de ar no interior da carroçaria. Do mesmo modo, ao receber a mercadoria, o condutor do camião deve certificar-se de que a cadeia de frio foi mantida, verificando se a temperatura no interior corresponde à indicada na etiqueta de transporte. 

Só o cumprimento à letra de todas estas medidas nos permitirá obter um transporte frigorífico seguro. 

Check Also

Tudo o que precisa de saber sobre a guia de remessa

A guia de remessa nacional, ou CMR, é um documento de controlo administrativo e de ...