Home / Transporte e atualidade / A crise converte as cargas completas (FTL) em meias cargas (LTL)

A crise converte as cargas completas (FTL) em meias cargas (LTL)

Durante o primeiro  semestre de 2013, observou-se um incremento de um 1,68 % respeito à média do ano 2011 situando a  percentagem de cargas parciais (LTL Less than Truckload) respeito às completas (FTL Full Truckload) em um 26,19% no  mercado interior de Espanha.

Conforme dados da bolsa de cargas da Wtransnet, no ano 2012, no mercado nacional de Espanha, do  total de ofertas de cargas com origem e destino Espanha 1.282.931, um 25,04% corresponde a cargas parciais, também denominadas “meias cargas ou partidas”, ou seja, um volume de 325.804 cargas.

A opinião  do sector é que com a crise os clientes já não compram trailers completos de mercadorias, mas sim cargas inferiores que não chegam a completar um camião. São essas cargas intermédias, maiores que uma  ou duas paletes, às vezes meio camião, que não pode ser  enviado por paletes nem paquetaría, mas que não são suficientes como para completar  um camião completo.

Assim  dificulta más o labor do transportador  ao ter que procurar essa carga que além de  coincidir por data e rota, coincida nos metros do camião que tem  livres.

A esta situação temos que acrescentar a exigência do cliente de receber sua mercadoria com a mesma pontualidade que um camião completo.

Os dados de cargas parciais em relação as cargas completas é mais elevada  a nível europeu, situando-se  em um 40,34% no mês de Maio de 2013, o que supõe  que de cada 10 cargas oferecidas na bolsa, 4 já são  de parciais é 6 de completos.

Esta percentagem  tem subido  em 2,59 pontos desde  2011

Países destinatários das cargas parciais, Portugal o que mais tem crescido

O volume mais importante de movimento de cargas parciais é a nível nacional, sendo um 85 % do total, conforme datos de 2012. Nos  5 primeiros meses de 2013, tem diminuído o número de cargas  partidas a nível nacional em um 0,85%, e tem aumentado o de exportação.

As cargas de exportação tem como destinatários principalmente  França que ocupa o primeiro lugar com um 38% das partidas de export, seguindo Portugal com um 27%. Alemanha e Itália supõem um 10% cada um.

Deve-se destacar o aumento das cargas partidas de exportação em Portugal, país  que mais tem crescido respeito a 2012,em segundo lugar Alemanha  e Itália que também têm crescido, mas em menor proporção. Diminui levemente as cargas parciais com destino  França, Holanda e Reino Unido.

Contribuição da Wtransnet na problemática das meias cargas

O mercado das meias cargas ou cargas partidas é muito importante para a Wtransnet, não só pelo volume que supõe (40 % das cargas), mas também  pelo grau de satisfação dos usuários no que concerne à resposta obtida.

Desde os seus  inícios, em  1997, criou uma bolsa diferenciada, a “Bolsa de grupagem” ou de meias cargas, para ajudar a resolver esta  problemática:  Para as empresas que movem cargas, que possam dar resposta  imediata às exigências do cliente encontrando o camião adequado o antes possível  e  para os transportadores, que possam rapidamente completar os metros livres do camião. Carregar uma carga partida em muitas ocasiões pode ser a diferença entre rentabilizar a viagem ou perder dinheiro.

Se já é difícil encontrar uma carga ou camião completo para um recorrido e uma data em particular, mais o é, ainda se também  temos  que encontrar quem tem meio  camião com o espaço  livre que precisamos.

A Wtransnet move mensalmente  118.000 cargas parciais e mais de 200.000 camiões que se oferecem  com espaços  livres na bolsa de grupagem, tanto a nível nacional como europeu.

Além dos principais países citados: França, Portugal, Alemanha, Itália, Holanda e Reino Unido, temos cargas parciais para outros destinos: Albânia, Andorra, Áustria, Azerbeijão, Bélgica, Bielorrússia, Bosnia-Herzeg., Bulgária, Croácia, Dinamarca, Eslováquia, Eslovénia, Estónia, Finlândia, Gibraltar, Grécia, Hungria, Irlanda, Letónia, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Macedónia, Marrocos, Moldávia, Mónaco, Montenegro, Noruega, Polónia, Rep Checa, Romênia, Rússia, San Marino, Servia, Suécia, Tunez, Turquia y Ucrânia.

About mmartinez

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *