Home / Transporte e atualidade / Transporte / Os desafios do transporte para os próximos anos

Os desafios do transporte para os próximos anos

O sector dos transportes rodoviários de mercadorias, depois de anos de recessão económica, parece ter entrado em velocidade de cruzeiro. Claramente, há uma recuperação da atividade que também se notou na Bolsa de Cargas da Wtransnet, onde  durante 2017 foram oferecidas um total de 3,816,009 cargas únicos em Espanha , um fato que significou um aumento de 40% na atividade em relação a 2016.

No entanto, apesar da recuperação da atividade, que paradoxalmente tem sido acompanhada por um aumento da morosidade, o transporte rodoviário de mercadorias tem agora que enfrentar grandes desafios.

A escassa coesão legislativa na Europa, a dor de cabeça que os frotistas enfrentam ao cumprir os requisitos de documentação por parte de seus clientes, a falta de motoristas profissionais e, mais recentemente, a liberalização do acesso à profissão, colocam a cereja no topo do bolo. para um cenário que se apresenta quanto menos complicado.

Seja como for, de todos os desafios que temos sobre a mesa há um que vai obrigar a mudar a maneira como os carregadores, operadores logísticos e transportadoras se relacionam. Falamos sobre a modificação do código penal sobre a responsabilidade de empresas e pessoas jurídicas (Compliance), que trouxe uma crescente sensibilização das empresas para exercer maior controle sobre seus fornecedores em termos de documentação.

 

o-futuro-do-transporte-em-espanha-portugal-jaume-esteve-wtransnet

 

Um cenário que, apesar de afetar outros setores, quando transferido para o transporte se complica pela dificuldade de homologar um grande número de colaboradores e pela falta de standardização de requisitos por parte da indústria.

Muitas vezes, a convivência entre operadores logísticos, carregadores e transportadores dificulta a imediatez de processos quando se cruzam protocolos rígidos de segurança, multiplicidade de plataformas e documentação.

A situação agrava-se quando encontramos o mercado spot, onde a flexibilidade é essencial. As empresas que passaram pela etapa de homolgar a sua frota e a de seus fornecedores habituais, constatam que perante colaborações esporádicas, precisam de baixar a sua exigência  para dar uma resposta ágil ao seu cliente.

Nos últimos anos, grandes empresas de logística investiram milhões de euros na construção de plataformas adaptadas para esse fim, tornando a excelência dos seus sistemas numa arma de diferenciação face à concorrência.

Mas, uma vez imersos nesse processo, encontramos uma problemática que todos reconhecem como sua: a falta de tempo e recursos para manter a homologação atualizada. Que cada cliente, além disso, peça uma documentação diferente não ajuda a manter essa atualização; ainda mais quando muitos desses documentos têm prazos de vencimento muito curtos.

Há que ter em conta que, para que todas as engrenagens funcionem, na outra extremidade da cadeia deve haver um trasportador proativo   operadora disposto a enviar a documentação e a mantê-la atualizada. Um cenário raro com o qual nem sempre temos a sorte de esbarrar.

Quer do lado dos operadores logísticos com seus próprios sistemas (ERP, TMS, CRM) como do lado dos transportadores, que também têm que usar a plataforma de cada cliente para fazer o upload da documentação, temos um mosaico de várias plataformas que tornam os procedimentos ainda mais ineficientes.

Apesar disso, a boa notícia é que qualquer inconveniente constitui uma oportunidade de melhoria e, neste caso, apresenta-se a oportunidade de trabalhar no fortalecimento da ligação entre a logística e transportadores, e na forma como eles se relacionam construindo um relacionamentos em que ambas as partes obtenham benefícios.

Um desafio perante o qual a tecnologia desempenhará, de forma não surpreendente,  um papel decisivo no fornecimento de soluções, além do apoio à administração e standardização de processos, é necessário criar uma hiperligação coloque fim à duplicação da informação e à  multiplicidade de plataformas. Em consequência um transporte mais eficiente.

Dificilmente uma única plataforma pode cobrir todas as necessidades. Daí que a curto prazo, a solução ideal passe por integrar a homologação nos ERP através da interconexão entre as plataformas.

 

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *